terça-feira, 9 de junho de 2009

Herberto Helder

Sei às vezes que o corpo é uma severa
massa oca, com dois orifícios
nos extremos:
a boca, e aos pés a dança com a coroa de labaredas
- a cratera de uma estrela.
E que me atravessa um protoplasma
primitivo,
uma electricidade do universo,
uma força.
E por esse canal calcinado sai
um ruído rítmico, uma fremente
desarrumação do ar, o verbo sibilante,
vento,
o som onde começa tudo – o som.

2 comentários:

  1. Lindo! Isto sim, é escrita de grande qualidade.
    Obrigado. Vale a pena dar a conhecer este grandessíssimo autor.

    ResponderEliminar